Faísca Mental #7

Se7e itens da lista número se7e e nenhum deles é um pecado capital.

  1. Quando criança sempre fui de brincar mais com Playmobil do que com Lego. Pensando mais sobre isso agora, acredito que está relacionado com o fato de eu gostar mais de histórias do que da construção de algo físico, mas depois de escutar a entrevista com Dan WingerSenior Innovation Designer no LEGO Future Lab, fiquei com muita vontade de ter um balde de peças de lego para deixar a criatividade fazer sua mágica;
  2. Fiquei bem feliz ao descobrir o APOIA.se, uma alternativa nacional ao Panteon que por enquanto só aceita dólares. Vale a dar uma olhada nos projetos já cadastrados, para se inspirar e como reafirmação de que é possível sim esse tipo de modelo financeiro. Tenho muita vontade de escrever um artigo sobre isso, já comecei um rascunho aqui;
  3. Conversando sobre playlists para ajudar na produtividade com algumas das pessoas que participaram do meu último curso de HTML e CSS básico, me indicaram a Piano in the Background. Comecei a fazer uma lista de músicas para escutar enquanto se trabalha;
  4. Assisti Buster's Mal Heart (2016) no Netflix e foi uma bela supresa! O papel principal é estrelado por Rami Malek (do ótimo Mr. Robot) e conta a história de um pai de família que trabalha em um hotel e tem uma visão bem peculiar sobre a vida. O filme tem fortes influências do O Iluminado e o estilo mais alternativo me lembrou bastante o surreal Um Cadáver Para Sobreviver. Só fiquei com vontade que o longa tivesse explorado mais a teoria filosófica do personagem. Fiquei pensando que uma das "brechas" que Buster explora, poderia ser muito bem uma ótima oportunidade para uma economia mais compartilhada;
  5. Mais uma indicação de longa, desta vez o documentário Joan Didion: The Center Will Not Hold (2017), também no Netflix, uma imersão na mente da cronista, feito magistralmente pelo seu sobrinho Griffin Dunne. Foi bem interessante ver como ela utilizava a escrita para conseguir expressar melhor seus sentimentos, assim como processar o que pensava a respeito de um assunto. Também a sua relação com John Gregory Dunne, cujo casamento era mais uma questão de parceria de trabalho, que funcionava perfeitamente, mas que ela nunca soube o que era estar verdadeiramente apaixonada. Uma das coisas que mais me chamou atenção na Joan foram os gestos com as mãos e braços enquanto falava, parecia uma dança, era hipnótico;
  6. Saiu o álbum do Greta Van Fleet e gostei bastante! Já tinha comentado antes sobre eles e é impossível não fazer a associação com Led Zeppelin. Assistindo alguns vídeos ao vivo da banda, é curioso notar que aparentemente o vocalista não faz nenhum esforço para soar como o Robert Plant, mas ainda me questiono, é uma imitação ou algo natural?;
  7. Faz algumas semanas que estou experimentando ouvir podcasts e por coincidência encontrei o artigo Meet the People Who Listen to Podcasts at Super-Fast Speeds que comenta sobre pessoas que escutam eles de forma acelerada, chegando até 3x a velocidade normal. No momento ainda sou um pequeno padawan e estou na velocidade 1,2x.

Enquanto houver uma pessoa que acredite, qualquer história pode ser verdadeira.

Paul Aster

Se você tem algum link que criou uma faísca mental em você, me envie 👊

Você tem algo construtivo sobre este texto para dizer? Então comente abaixo