Faísca Mental #2

A segunda edição do que me inspirou e inseriu uma ideia em minha cabeça no estilo do “A Origem” nesta semana (a.k.a. Faísca Mental) acabou atrasando três dias, mas saiu! Vou experimentar no final adicionar uma frase que achei interessante (spoiler de projeto novo) para ser repetida como um mantra. Então vamos lá mergulhar em um nível mais profundo deste sonho:

  1. Descobri que existe uma “versão agile” para design, chamada “design sprint“, através de uma entrevista com o criador Jake Knapp no pordcast Design Better. Interessante também foi saber que ele está trabalhando em um novo livro sobre como utilizar melhor o tempo para o que importa (que está totalmente alinhado com vários experimentos que estou fazendo), baseado nos textos que escreve junto com o John Zeratsky no blog Time Dorks. Já adicionei várias das matérias no meu Pocket;
  2. Assisti a palestra “1% Better Every Day” do James Clear que recomenda encontrarmos todo dia algo pequeno(o 1%) que podemos melhorar em nossa vida. Assim, após uma ano vamos estar muito melhor do que quando começamos. Qual vai ser o 1% de melhoria que você vai pode aplicar hoje na sua vida? Na minha já está sendo coisas simples como: sempre levar o prato sujo para a pia depois de comer (lavar fica para um próximo 1%);
  3. Fiquei pensando bastante sobre como poderia viajar mais e conseguir trabalhar tranquilamente depois de ler “7 Remote Working Tips from 1 Month in Rural Italy“. Das últimas vezes que fiz as duas coisas juntas foi bem difícil e exaustante. Uma outra coisa que colocou uma pulga atrás da orelha foi a ideia de não colocar um despertador para acordar, fiquei curioso no que precisaria mudar da minha rotina para ter essa vivência;
  4. O “Getting Work Done Without Working More Hours” sincronizou bem com os outros itens desta lista e tem espalhado no texto vários links de pesquisas e ferramentas, o que achei ótimo, normalmente as matérias só comentam mas não fazem a relação com as fontes. Pretendo ver com mais calma para testar e adicionar novos itens na minha pesquisa sobre produtividade;
  5. Nunca fui muito atraído por quadrinhos/filmes de super heróis, com exceção do Batman, e o filme da Mulher Maravilha me pegou de surpresa, gostei muito como lidaram cuidadosamente para evitar vários clichês da relação masculino/feminino. Mas a maior surpresa na verdade veio ao achar por acaso o artigo “Finally, a Movie About the Kinky Threesome That Inspired Wonder Woman” da Jada Yuan, e descobrir que o criador da história foi o inventor do detector de mentiras (e utilizava-o de uma maneira bem interessante) e também tinha um relacionamento não-monogâmico, cuja dificuldade de aceitação pela sociedade foi um dos motivos da heroína ter surgido. E para quem já associou o laço da verdade com o detector de mentira… bem, na verdade ele junto com o uniforme é inspirado no BDSM. Vai sair um filme na semana que vem nos EUA o filme “Professor Marston and the Wonder Women” sobre a história deste trisal, estou bastante curioso para assistir;
  6. Nas últimas semanas dois amigos recomendaram o filme “Minimalism: A Documentary About the Important Things” (2015), dirigido pelo Matt D’Avella, sobre dois americanos que decidiram começar a viver somente com o mínimo necessário e escreveram um livro sobre essa experiência. Foi ótimo para repensar o meu lado colecionador/acumulador. Está na hora de fazer uma nova “limpeza”!;
  7. Este sábado (30.AGO.2017) aconteceu o “Global WordPress Translation Day 3” organizado pela comunidade do WordPress <3 e a Sheila Gomes escreveu um excelente Guia de tradução do WordPress, com várias dicas e ferramentas para quem quer se aventurar no mundo da tradução. Estou com muita vontade de voltar a traduzir e continuar com projetos relacionados a isso.

Be yourself; everyone else is taken.
– Oscar Wilde

Publicado por Daniel Kossmann Ferraz

Sou (de)formado em Ciência (?) da Computação e (in)formado em Cinema, Literatura, Tradução, Arte, Quadrinhos e Alquimia pela Universidade Pirata, obtendo com louvor o título de Kosmonauta. Nas horas vagas, gosto de desenhar mãos e viajar em universos paralelos. Se você gostou dos meus textos, me ajude a escrever mais.

Deixe um comentário

Você tem algo construtivo sobre este texto para dizer? Então comente abaixo