Dicas para palestrar em um evento de WordPress14 min leitura

Mão segurando slideshow iluminando homem palestrando

Você já ficou inseguro na hora de fazer uma palestra? Já pensou duas vezes se deveria ou não enviar uma proposta de palestra por não saber se é capaz de falar do assunto? Eu já passei por isso várias vezes e decidi compartilhar o que aprendi nos últimos anos palestrando em eventos de WordPress. Enquanto escrevia essas dicas, levei em conta três pontos de vista diferentes:

  1. Ouvinte: eu já fui muito “rato de palestra”, onde tentava assistir o máximo de palestras de um evento, e isso me fez ver várias coisas que eu gostei e não gostei em apresentações;
  2. Palestrante: toda vez que vou apresentar algo é um grande desafio, tanto intelectual quanto emocional, e a cada palestra tento melhorar algo que aprendi nas palestras anteriores. Gosto também de fazer vários testes, que às vezes dão muito errado, mas pagar alguns micos faz parte do aprendizado (só não exagere!);
  3. Organizador: durante o processo de seleção de uma palestra em um evento, analiso não só os slides do palestrante, mas também como ele já conduziu outras apresentações, para saber se é um bom compartilhador ou não. Além disso, os eventos da comunidade de WordPress seguem algumas regras que devem ser respeitadas.

O texto ficou longo, no total são quinze tópicos, então para quem quiser criei um sumário para acesso rápido:

  1. A introdução deve ser curta;
  2. Sua apresentação não é um comercial;
  3. Menos conteúdo, mais foco;
  4. A dupla dinâmica: problema e solução;
  5. Conte a sua história;
  6. Menos textos nos slides;
  7. Ritmo é essencial;
  8. Treinar é obrigatório;
  9. Mais ideias, menos códigos;
  10. Fique sempre de frente para o público;
  11. Respeite o limite de tempo;
  12. Eu estou nervoso e está tudo bem;
  13. Não tenha medo de perguntas;
  14. Adicione o link para baixar a apresentação;
  15. Extra: transforme a palestra em post.

A introdução deve ser curta

Normalmente o segundo slide de toda palestra é sobre quem está falando e deveria ser uma rápida apresentação da pessoa para que o público conheça mais quem está falando. Infelizmente algumas pessoas tratam este momento para contar uma história longa do que fazem ou então “copiam e colam” um trecho do currículo e passam item por item. Em ambos os casos é extremamente cansativo essa parte e mais parece uma autopromoção e na maioria das vezes, se não em todas, não acrescenta em nada no conteúdo da palestra.

Penso nessa introdução em algo como um pitch de elevador ou então aquelas apresentações individuais em um grupo de muitas pessoas, onde você tem que falar rapidinho para todo mundo conseguir se apresentar. Seguindo isso, costumo só falar meu nome e em duas ou três frases rápidas explicar o que eu faço. Dependendo do conteúdo e do tema da apresentação, eu faço algumas adaptações para melhor conversar com o público do evento.

Anyssa Ferreira palestrando no WordCamp São Paulo 2018

Sua apresentação não é um comercial

O principal objetivo das palestras dos eventos da comunidade de WordPress é compartilhar conhecimento e experiências, portanto a sua apresentação deve ser montada com isso em mente. Este não é um espaço para você divulgar os seus produtos e serviços, ou da empresa que você trabalha, nem tampouco dar “um gostinho” do que fazem (muitas vezes através de “casos de sucesso”) para no final fazer a chamada de venda e não ensinar quase nada efetivamente.

Esse cuidado vale também no visual da sua apresentação, o melhor e único lugar legal para ter o logo e site da sua empresa/serviço/outro é no slide de apresentação ou no final nos dados de contato. Uma vez vi um caso bem particular, onde cada slide do palestrante era uma foto de coisas do dia a dia dele e ele conseguiu colocar um adesivo da empresa em objetos aleatórios em todas as fotos, e às vezes de maneira bem exagerada. Não precisava né!?! Além disso, caso sua apresentação for filmada, para ela entrar no WordPress.tv (o YouTube das palestras de WordPress) é preciso seguir algumas regras e uma delas é justamente ser livre de propagandas.

Um teste legal a ser feito é se perguntar se sua apresentação se enquadra na missão do próprio WordPress.tv: Nosso objetivo número um é compartilhar conteúdo de qualidade que mostre aos nossos visitantes como usar o WordPress e fazer coisas sensacionais com ele. [Our #1 objective is to share quality content that shows our visitors how to use WordPress and do awesome things with it.] Se sim, bora compartilhar!

Menos conteúdo, mais foco

Um dos desafios de montar uma apresentação é definir o que você vai falar no tempo limite que você tem. Eu tenho a mania de tentar espremer o máximo de conteúdo que eu consigo na ânsia de querer explicar tudo que tem a ver com o assunto para compartilhar o máximo de conhecimento possível. Só de ler a última frase você provavelmente já se sentiu sobrecarregado e era assim que a maioria das pessoas se sentia ao assistir uma palestra minha. Quando no final alguém perguntava sobre o que eu falei, era até difícil de responder. Aprendi que era melhor falar muito bem de um único assunto, do que apenas pincelar vários assuntos.

Uma experiência legal que tive em um dos meetups da Comunidade de WordPress de Curitiba, foi ajudar um palestrante que queria compartilhar a experiência dele com o WooCommerce, a focar em apenas um assunto específico (que foi métodos de pagamento) e conseguir assim fazer uma apresentação de mais fácil assimilação com um resultado mais palpável para quem estava assistindo.

Felipe Elia palestrando no WordCamp São Paulo 2018
Felipe Elia palestrando no WordCamp São Paulo 2018

A dupla dinâmica: problema e solução

Na criação do conteúdo da palestra vejo muitas vezes o foco excessivo em apresentar a solução de um problema, mas muitas vezes durante a apresentação nem fica claro para quem está assistindo qual é o problema que aquela solução resolve. Eu já me perdi várias vezes fazendo isso.

Toda vez que eu vou começar a montar os slides eu me pergunto que problema eu estou resolvendo. Então eu primeiro explico qual é o problema que eu tinha para só depois mostrar a solução, muitas vezes adicionando as tentativas e erros que tive durante o processo até chegar no resultado final.

Esse modelo de pensamento também ajuda quando você vai criar a descrição da palestra.

Conte a sua história

Provavelmente você tem uma história de como foi do problema/desafio à solução/aprendizado que você está compartilhando na apresentação. Conte o que iniciou esse processo e como foi sua jornada, inclusive citando os tropeços durante o trajeto. As pessoas gostam de histórias e através delas conseguem se identificar melhor com o que você está falando.

Comentei esta dica para um amigo que estava criando os slides para palestrar sobre um framework de programação que ele aprendeu, focando em explicar a solução para incentivar outros a utilizá-lo. Ele então adicionou, de maneira resumida, a sua história de sair de um emprego tradicional para empreender e criar um aplicativo, e como nessa jornada se deparou com vários questionamentos e problemas que resultaram na solução apresentada. Não só a palestra ficou muito mais atraente, mas várias pessoas vieram depois falar com ele para saber mais da história dele.

Daniel Kossmann palestrando no WordCamp São Paulo 2018
Eu palestrando no WordCamp São Paulo 2018

Menos textos nos slides

O foco da sua palestra deveria ser você e não seus slides. Se você coloca muito texto, talvez pensando em quem vai ver os slides só depois na internet, a maioria das pessoas vai rapidamente lê-los e a chance delas ficarem entediadas porque já tem ideia sobre o que você vai falar (ou concluir) é gigante.

Um dos grandes desafios de um palestrante é não deixar Morfeu, o deus do sonho, tomar conta da sua audiência. Começar a ler um texto longo de um slide durante uma apresentação é invocá-lo com todas as suas forças.

Ritmo é essencial

Um dos seus melhores aliados para tornar a sua apresentação mais interessante é criar um ritmo na sua narrativa. Isso engloba não só como você organiza a sua história de apresentar, que afeta diretamente a ordem dos slides, como também a adição de momentos de silêncio, seja para dar criar tensão para o que está por vir ou poder dar um intervalo para respirar.

Veja só como a última frase gigante do parágrafo anterior grita por um intervalo, o mesmo acontece também em uma fala muito extensa na apresentação.

Treinar é obrigatório

Não tem uma melhor maneira de afinar o ritmo do que treinar a sua apresentação. Esse é o momento chave para você exercitar falar o conteúdo e testar a sequência narrativa dos slides.

Durante o treino costumo alterar bastante a ordem dos slides até que eu consiga que cada slide converse com o seu próximo, isso ajuda bastante a dar ritmo na apresentação. Às vezes percebo que fica melhor se eu remover (não tenha pena!) ou até adicionar um novo slide.

A maioria dos softwares de criação de apresentações tem algum “modo do apresentador”, onde é possível ver o próximo slide e o anterior, assim como o tempo decorrido.

Ativando a 'Visualização de apresentador' no Google Apresentações
Ativando a ‘Visualização de apresentador’ no Google Apresentações

Um efeito colateral do treino é que você consegue ter uma ideia melhor de quanto tempo sua apresentação vai durar. Sabendo quanto tempo você tem disponível, adeque o conteúdo para se ajustar confortavelmente nesta duração.

Uma dica é apresentar virtualmente para um amigo (recomendo utilizar o appear.in), que diferente da ótima plateia das paredes e do seu animal de estimação preferido que só observam, consegue dar um retorno do que pode ser melhorado. Aqui é legal focar em perguntas como:

  • O que ficou confuso?
  • Qual a parte mais chata da apresentação?
  • Se eu tivesse que tirar algo da apresentação mas sem impactar no assunto, o que seria?
  • Como você resumiria a palestra em poucas frases?
  • O que você achou mais legal?

A partir das respostas, faço as melhorias e, se possível, faço mais um teste com alguém (se der a mesma pessoa melhor) para ver se melhorou.

Eu sei que treinar para uma apresentação pode muitas vezes ser muito chato e bastante trabalhoso, mas o resultado compensa!

Mais ideias, menos códigos

Quando estava montando uma palestra cheia de exemplos de códigos para explicar o funcionamento de um sistema, um amigo viu os slides e perguntou quando havia sido a última vez que eu havia utilizado um código exatamente como estava nos slides. Nunca tinha parado para pensar sobre isso e a minha própria resposta me surpreendeu: nunca fiz isso! O máximo que eu fazia era entender a ideia do código e programá-la do meu jeito. Então por que não simplesmente apresentar a ideia?

Eu sei que em alguns casos, como em palestras mais técnicas, é necessário mostrar códigos. Minha sugestão para esses casos é dividir trechos dos códigos em slides diferentes, pois a troca de slides cria um pouco de ritmo na palestra e torna ela menos cansativa.

Outra dica legal é colocar links nos slides para a pessoa ver a versão completa do código depois ou até gravar um vídeo de uma demonstração para não ter que tentar fazer nada na hora, pois a chance de dar alguma coisa errado por conta de nervosismos e outras coisas é gigante.

Fique sempre de frente para o público

Algumas coisas me deixam extremamente com tédio enquanto estou assistindo uma apresentação, uma delas é quando o palestrante vira de costas e começa a ler o conteúdo que está nos slides. Fico entre um misto de sensações incômodas onde acho que ele não se preparou para falar sobre assunto e que se ele vai ficar lendo os slides, eu não precisaria estar lá assistindo e poderia eu mesmo lê-los muito mais rápido sozinho.

Toda vez que vou mostrar algo que está nos slides com um laser pointer, tento virar ao máximo só parte do corpo para não ficar totalmente de costas enquanto faço isso. É mais um costume que dá para ser treinado sem muito esforço.

Quando é possível, tento deixar o laptop do palco com tela no modo espelhado virado para mim, de forma que consigo ver em qual slide estou enquanto estou de frente para a plateia.

Sheila Gomes palestrando no WordCamp Porto Alegre 2017
Sheila Gomes palestrando no WordCamp Porto Alegre 2017

Respeite o limite de tempo

Se o tempo estourar, se desculpe e finalize sua palestre. Se não fizer isso e houver outra(s) palestra(s) depois, você irá tomar o tempo do outro palestrante e poderá causar um efeito avalanche para bagunçar toda a grade do evento.

Uma palestra terminada antes do tempo, pode ser também tão desastroso quanto uma que excedeu a duração. Por isso é essencial ajustar isso no treino.

Eu estou nervoso e está tudo bem

Mesmo depois de ter feito várias palestras, o nervosismo antes de falar em público não passou, muito menos diminuiu. O que mudou foi a minha capacidade de gerenciar essa sensação. Depois de tantas vezes sentindo isso, não é mais algo que me paralisa e me deixa sem palavras, mas confesso que volta e meia a ansiedade na voz entrega o nervosismo. O melhor remédio para isso? Admitir que estou nervoso logo no começo da palestra e está tudo bem.

Para ajudar a se acostumar falar em público, recomendo bastante treinar apresentando em meetups, que geralmente é um público menor e um ambiente mais aconchegante.

Meetup da comunidade de WordPress de Curitiba

Uma outra dica legal é escolher duas pessoas no público que estão respondendo bem ao que você está falando (se forem pessoas que você conhece, melhor ainda), uma em cada extremidade do espaço. Durante a palestra alterne o olhar para cada uma delas. Você estará focando só em duas pessoas, mas para quem está te olhando irá parecer que você está olhando para todo o público.

Não tenha medo de perguntas

Eu tinha pânico de no final da apresentação alguém perguntar algo relacionado à palestra que eu não soubesse. Pensava que todo mundo iria me achar uma fraude (a famosa síndrome do impostor) e que era melhor nem apresentar para não correr esse risco.

Um amigo deu a dica de que não tem nada de errado em responder “não sei” e que isso poderia ser seguido de um “mas posso dar uma olhada e depois retomo o contato com você” (ou algo do tipo) ou até um “alguém na plateia por acaso saberia?”.

Uma das perguntas que mais fiz, e escutei, foi se o palestrante iria disponibilizar a palestra. Por que não já deixar o link para download dela no primeiro e/ou último slide? Muitas vezes já começo a palestra avisando que fiz isso. Outra ideia é adicionar também o QrCode com o link.

Uma utilidade legal deste link é a possibilidade de se obter estatísticas de quantas pessoas visitaram ele, você pode fazer isso facilmente no WordPress com o plugin gratuito Redirection ou usar serviços com o o bit.ly.

Extra: transforme a palestra em post

Essa aqui foi uma ótima dica da Sheila Gomes, que é criar um post com o conteúdo da palestra e disponibilizar ele no dia da palestra, ou até antes. O link nos slides poderia apontar para esse post com a apresentação no final.

Percebi que escrever esse post ajuda muito no processo de criação da palestra, além de permitir me aprofundar um pouco mais em alguns tópicos.

Esse post por exemplo, surgiu por conta da palestra homônima que fiz na 44º Meetup WordPress Curitiba. Segue abaixo os slides dela:

Finalização

Espero ter ajudado com essas dicas, principalmente se você quer dar a sua primeira palestra! Acredito que palestrar é um ótimo jeito de aprender ou me aprofundar sobre um assunto, então tento aproveitar ao máximo as oportunidades que eu tenho para compartilhar meu conhecimento em eventos, ainda mais nos específicos sobre WordPress.

Se você tiver mais alguma dica, só colocar nos comentários, toda colaboração é bem-vinda para ajudarmos a criar um mundo onde mais pessoas compartilham conhecimento.

A imagem que ilustra este post foi criada especialmente para este texto pelo ótimo Lucas Loiola.

4 thoughts on “Dicas para palestrar em um evento de WordPress14 min leitura

  1. Ótimo texto e dicas, Kossmann! Muito obrigado por compartilhar sua experiência 🙂

    “pagar alguns micos faz parte do aprendizado” lembrei do “Eu digo Guten, vocês dizem berg” na hora 😛

Você tem algo construtivo sobre este texto para dizer? Então comente abaixo